LINGUAGEM VERBAL - FALAR

COMPORTAMENTO VERBAL - PASSO A PASSO

Aprender a falar de forma funcional é, sem dúvida, a tarefa mais importante e, ao mesmo tempo, mais difícil para crianças com autismo. Não adianta querer pular passos, se atropelar, pois isso só vai atrapalhar o desenvolvimento da criança e da sua linguagem. 

Segue então o Passo a Passo de como devemos estimular essa habilidade, de acordo com o método criado pela nossa mestre Mayra Gaiato, os 8 Passos do Comportamento Verbal. Confira o vídeo, assim como as imagens e explicacões de cada passo abaixo. 

Para entender melhor sobre os 8 Passos do Comportamento Verbal, leia o livro Propósito Azul (100% da renda para a causa do Autismo) e/ou faça os cursos do Instituto Singular (não ganho nada com isso e só indico porque conheço a qualidade). Para pais que apliquem as terapias sugiro começar pelo de AT e para todos os pais o curso de Treinamento de Pais. Somente para quem quiser se especializar ainda mais, por último recomendo o de ABA / Denver.

1o Passo Comportamento Verbal

➡️ ERROS COMUNS - É muito comum que pais e profissionais ignorem sons emitidos por crianças não-verbais com TEA. No entanto, EMITIR SONS, por mais ALEATÓRIOS e sem sentido que possam parecer, é o PRIMEIRO PASSO do COMPORTAMENTO VERBAL e devem ser REFORÇADOS nessa FASE.


✅ Quando a criança percebe que, sempre que EMITE um SOM, algo LEGAL ACONTECE, ela começa a entender como funciona a linguagem verbal e tende a fazer mais verbalizações e tudo isso é ótimo para o DESENVOLVIMENTO de sua LINGUAGEM FUNCIONAL.

✅ Se seu filho ainda não fala ou fala poucas palavras, tenha sempre um REFORÇO à mão e quando a criança emitir qualquer som, pare tudo e reforce IMEDIATAMENTE. .

⚠️ ATENÇÃO: É importante que a criança seja REFORÇADA em menos de 3 SEGUNDOS para que associe aquela EMISSÃO do SOM com o REFORÇO.

 

REGRA +1

Para aprender a FALAR, precisamos antes ENTENDER o que OUVIMOS.

Imagine se visitasse o Japão e lá alguém falasse com você rapidamente, formando uma frase gigante? Você não entenderia nada, certo? Seria muito melhor se essa pessoa falasse japonês com você usando poucas palavras, de forma clara e pausada e relacionando as palavras sempre a com um material concreto, não é?? Como um cardápio com fotos...

Portanto, para crianças que têm atraso na fala, da mesma forma, precisamos falar sempre com poucas palavras, usando a REGRA +1:

* Para crianças que não falam NENHUMA palavra, converse com apenas 1 palavra: “Telefone”;

* Para crianças que falam 1 palavra solta, ou seja, uma de cada vez, converse juntando 2 palavras: “telefone verde”;

* Para crianças que já juntam 2 palavras, converse com frases de 3 e assim por diante...

E para que a criança aprenda, faça uma relação entre SIGNIFICANTE e SIGNIFICADO, use sempre material concreto, ou seja, fale “pijama” apontando para o pijama.

Ex. Para crianças que não falam, use 1 palavra, para crianças que falam 1 PALAVRA, fale com ele JUNTANDO 2 PALAVRAS, neste exemplo: “vestir pijama”.

Para saber mais, acesse o Cap. 4 do Livro Autismo Compreender e Agir em Família, que ensina os pais a aplicar em casa o Modelo Denver de Intervenção Precoce (que é uma forma mais naturalista da ciência ABA). .

Nos curso online da nossa mestre @mayragaito , ela ensina essa e diversas outras dicas de como estimular nossos filhos em casa, sempre de uma forma super leve e descontraída. Suuuper-recomendo! 

 

DICA: Outra dica para estimular as vocalizações são microfones infantis e aplicativos alteradores de voz.

RECAPITULANDO:

1º PASSO – REFORÇO QUALQUER EMISSÃO DE SOM (DICA VISUAL + VERBAL)

No primeiro passo do comportamento verbal reforçamos qualquer emissão de som qualquer da criança. Quando a criança emite sons aleatórios, quando ela está começando a balbuciar, a desenvolver a comunicação, ela pode falar qualquer coisa, que eu reforço.

Por exemplo, ela fala “e” e aí você pode dizer pra ela: “- Muito bem, mamãe!”. Ou seja, você deve reforçar, dar o feedback pra ela do modelo adequado do que você acha que ela gostaria de ter falado naquele momento. Então você repete depois que ela falou um som qualquer, reproduzindo como se ela tivesse falando aquilo que ela quer.

Assim, depois de um tempo, a criança começa a associar que:  “Opa, toda vez que eu emito um som, que eu faço esse barulhinho aqui, que eu faço esse movimento com minha boca, eu recebo um feedback do ambiente, eu tenho algum retorno e alguma coisa legal acontece e assim ela começa a emitir vários sons, porque ela associa a emissão de sons com um retorno, um reforço positivo.

Então todas as vezes que a criança emite um som, pare tudo para dar atenção para a criança, “repita” o que ela falou dando um modelo e dê alguma coisa legal, pra ela associar com uma coisa positiva. 

✅ Para conhecer as estratégias de cada um dos 8 PASSOS do COMPORTAMENTO VERBAL, desenvolvido pela nossa mestre @mayragaiato , leia o livro Propósito Azul ou faça algum de seus cursos disponíveis no site www.institutosingular.org.

➡️ Para saber mais sobre o 1o PASSO do COMPORTAMENTO VERBAL, assista o vídeo abaixo do canal do YouTube da nossa mestre Mayra Gaiato - Ensine a Falar: Como Incentivar o Comportamento Verbal:

2o Passo Comportamento Verbal

 

➡️ 2º PASSO – REPETIR O MODELO (DICA VISUAL + VERBAL)
Nesta fase a criança tem que repetir o que ensinamos para ser reforçada.

➡️ ECOLALIA x ECOAR
É diferente ecoar - quando eu ensino uma coisa funcional, do que fazer ecolalia. Todas as crianças aprendem por essa via.

➡️ QUANDO:
Passamos para a segunda fase quando a criança já emite vários sons, então começamos a modelar esses sons.

➡️ REFORÇO:
Só aceito e reforço quando há vogais que tenham na palavra modelo. Deixo ela variar até chegar nesse ponto para então reforçar.

➡️ APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS:
A criança varia dessa forma em diversas situações, ao longo das semanas, até que ela emita um som muito parecido com o modelo. Ex: para boneco “boeco”.

➡️ IMITAÇÃO:
Para criança imitar um comportamento verbal, pra repetir o que eu estou dizendo, ela precisa ter imitação. Uma criança que não imita no motor, não vai imitar no verbal.

 



➡️ CONTATO VISUAL:
Para criança fazer imitação motora, ela tem que ter contato visual.

 


 
➡️ SEGUIMENTO DE COMANDOS:
Crianças que não ouvem geralmente são mudas. Isso porque,
embora tenham a capacidade de falar, não falam porque não processam os sons. Para modelar o som (exigido na 2a fase) a criança
precisa discriminar os sons e para estimular essa habilidade é preciso treinar o seguimento de comandos.

 



Para entender melhor, assista ao vídeo YouTube 8 Passos do Comportamento Verbal (link nos stories) e confira no livro Propósito Azul e nos cursos www.institutosingular.org

➡️ Quando a criança já emite SONS para se COMUNICAR e já está craque no CONTATO VISUAL + IMITAÇÃO + COMANDOS, você já pode passar para o 2o PASSO do COMPORTAMENTO VERBAL:

➡️ Nesta fase, assim como na primeira, você dá as dicas: VISUAL + VERBAL.


✅ Dica VISUAL: Mostre o CARRINHO para criança, de preferência colocando-o em frente ao seu rosto, para que ela faça contato visual e observe os movimentos de sua boca quando der a dica verbal.


✅ Dica VERBAL: fale a palavra que quer que a criança repita. Neste exemplo, você fala: “- CAR-RI-NHO”, de forma bem PAUSADA e CLARA.

➡️ A DIFERENÇA é que nesta fase você não REFORÇARÁ qualquer som aleatório, mas APENAS aqueles que se APROXIMAREM do MODELO VERBAL. Então você considera como certo se a criança balbuciar, por exemplo: “CA”, “A”, ou “RI”, I”, ou “NHO” ou “O”...

➡️ Enfim, se a criança emitir qualquer SOM PRÓXIMO ao modelo, você REFORÇA imediatamente e entrega o carrinho em MENOS de 3 SEGUNDOS. É importante também que o objeto em questão seja algo de INTERESSE da criança e que a entrega do mesmo seja REFORÇADORA para a criança. .
.
➡️ Senão, você dá mais uma CHANCE e repete o modelo. E se mesmo assim a criança não emitir nenhum som ou caso emita um SOM DIFERENTE, que não tem nenhuma relação com o modelo, por exemplo: “sss”, “u”, você NÃO REFORÇA, ou seja, neste caso não entrega o carrinho.
.
.
➡️ Lembre de fazer esse exercício apenas com itens SUPÉRFLUOS, que você possa negar a criança
SEM CEDER ou voltar atrás. 


➡️ Se você não quiser frustrar a criança, dê uma última CHANCE pedindo para criança APONTAR para o carrinho, e dê a AJUDA FÍSICA segurando seu DEDINHO INDICADOR, apontado para o carrinho e então REFORCE, entregando-o imediatamente.

➡️ Lembre de EMPARELHAR os REFORÇOS e, quando entregar o carrinho, bata palmas, faça festa, toca aqui, sorria, dê parabééééns, etc.

 

➡️ ERROS COMUNS: É muito comum que, buscando a ampliação da linguagem de crianças que ainda falam POUCAS PALAVRINHAS, muitos pais e profissionais peçam que elas façam a nomeação de cartas. No entanto, agindo assim você está pulando importantes etapas e isso pode prejudicar o aprendizado. Como ensina nossa mestre Mayra Gaiato, nomear objetos sem ajuda verbal é o 4o Passo do Comportamento Verbal.


✅ Para conhecer as estratégias de cada um dos 8 PASSOS do COMPORTAMENTO VERBAL, desenvolvido pela nossa mestre @mayragaiato , leia o livro PROPÓSITO AZUL e faça seus CURSOS disponíveis no site www.institutosingular.org que são imbatíveis! 

COMANDOS

Para FALAR, precisamos antes ENTENDER o que OUVIMOS. E o seu filho entende o que você fala? Para tirar a dúvida, dê comandos fora do usual. Se você pede para a criança jogar algo no lixo ou apagar a luz, por exemplo, ela pode estar fazendo isso por condicionamento e não necessariamente por que entendeu.
 

Então dê comandos simples como: senta, levanta, bate palmas, coloca a mão no nariz, etc. Lembre sempre de se comunicar usando poucas palavras, usando a Regra do +1 => se a criança não fala, fale com ela sempre usando apenas 1 palavra. Se a criança fala usando apenas 1 palavra, fale usando 2 e assim por diante.

 

Se não fizer, dê a AJUDA necessária, sempre da menor para maior (verbal, gestual e física) e reforce imediatamente quando ele cumprir, mesmo que com ajuda total.

TRABALHE OS PRÉ-REQUISITOS DA LINGUAGEM

 

Antes de andar, as crianças têm de aprender a sentar e ficar de pé... DA mesma forma, antes de falar, a criança tem que atender uma série de requisitos.

RECAPITULANDO:

 

2º PASSO – REPETIR O MODELO (DICA VISUAL + VERBAL)

No segundo passo do comportamento verbal a criança tem que repetir o que a gente ensina para ser reforçada.

É importante ressaltar que é diferente ecoar quando eu ensino uma coisa funcional, do que fazer ecolalia, enfim, são coisas diferentes. Todas as crianças aprendem por essa via.

No 1º Passo, por exemplo, eu pego o boneco favorito da criança e mostro pra ela, que está doida pra pegá-lo. Aí eu dou a dica visual (mostrando o boneco) e verbal, falando: “Você quer pegar esse boneco? Então fala: bo-ne-co” e a criança fala “a”, aí eu reforço entregando o boneco e falando: “Muito bem, boneco”.

No 2º Passo, quando a criança já constitui uma relação - emitir um som pra conseguir algo, quando ela já sacou que ela precisa emitir sons, que isso traz algum resultado, algum feedback do ambiente positivo pra ela, eu vou começar a modelar esse som.

Então vou começar a dizer pra ela: “Você quer bo-ne-co? Então fala: bo-ne-co” e a criança fala “a”. Neste caso, eu não reforço, porque o som que a criança emitiu não está relacionado com a palavra por mim modelada.  

E aí ela fala “e”, aí sim eu reforço, aí eu reforço entregando o boneco e falando: “Muito bem, boneco”. Eu só aceito vogais que tenham na palavra e deixo ela variar até chegar nesse ponto.

Então vou deixa-la variar dessa forma em diversas situações, ao longo das semanas, até que ela emita um som muito parecido com  “boeco”.

FAÇA UMA PAUSA: Dica do IG @analuciakozonara: "Adoro quando os pais demoram um pouco para responder, aumentando a pausa para resposta!

Quando conversamos com alguém e acontece uma pausa silenciosa mais longa, ficamos desconfortáveis e rapidamente preenchemos com algo que estamos pensando. Você usa isso na comunicação com seu filho?

As vezes, facilitamos muito modelando a fala e não permitimos a pausa, inclusive para a criança entender que ela faz parte da comunicação!

Não esqueça de reforçar quando a criança conseguir responder! Uma dica bem fácil para treinar as pausas, pode ser música: “Atirei o pau nooooo ........”

 

 

IMITAÇÃO:

Mas, para criança imitar um comportamento verbal, pra ela repetir o que eu estou dizendo, ela precisa ter imitação. Uma criança que não imita no motor, não vai imitar no verbal. Por isso que uma das estratégias dos programas mais importantes da terapia comportamental é programa de imitação, é colocar imitação dentro do contexto terapêutico. Primeiro a criança faz no motor pra depois fazer no verbal.

 

CONTATO VISUAL:

Só que pra criança fazer imitação motora ela tem que ter contato visual. Por isso que os programas básicos são programas de ampliar contato visual.

 

Percebe que está tudo interligado? Um contato visual simples é determinante na fala. Falar de forma consistente demora oito passos e a criança só vai fazer o básico do 2º Passo se ela imitar e se tiver um bom contato visual, além de discriminar bem os sons.

 

SEGUIMENTO DE COMANDOS:

Veja no caso de crianças com deficiência auditiva, que não ouvem. Como não ouvem, geralmente elas também são mudas. Por mais que elas tenham a capacidade de falar, não falam porque não processam o som no processamento auditivo central, no cérebro.

Então para modelar esse som essa criança precisa ouvir, por isso um programa importante também é o seguimento de comandos.

Entenda melhor sobre a necessidade desses pré-requisitos para o desenvolvimento da linguagem no vídeo do link abaixo - principais trechos sobre a FALA no AUTISMO da live lendária entre essas duas assumidades no assunto, nossa queriiiida mestre Mayra Gaiato @mayragaiato e Dr. Paulo Liberalesso @tea.cerena , realizada em 11/06/20.

Eles salientam que, para que para que a FALA FUNCIONAL aconteça em crianças com TEA, o tratamento que apresenta melhores resultados é a intervenção COMPORTAMENTAL ABA, devendo-se atuar especialmente nos pré-requisitos da FALA, ou seja, a IMITAÇÃO, o CONTATO VISUAL e os COMANDOS, além da redução dos COMPORTAMENTOS INADEQUADOS, que são barreiras de aprendizado. (Para conferir a live na íntegra, acesse o IG @mayragaiato).

PRIMEIRAS PALAVRAS

A fonoaudióloga Ana Lúcia Kozonara dá dicas de que palavras devemos ensinar no início (vide últimas imagens quadro acima):

"Qual é o vocabulário que devo estimular inicialmente?

A primeira preocupação deve ser sempre a FUNCIONALIDADE das palavras e que elas estejam mais evidentes na rotina da criança. Também é importante usar não somente substantivos, mas também VERBOS, que no futuro possibilitarão a formação de frases!

Não há problema em estimular o vocabulário de letras, números, formas, etc, mas no início da vida eles são pouco funcionais!"

ADIANTA NOMEAR CARTAS??????


Do ponto de vista da COMUNICAÇÃO, é MAIS IMPORTANTE que a criança APONTE ou que faça um CONTATO VISUAL para PEDIR algo, do que falar palavras elaboradas ou cantar músicas SEM o objetivo de PEDIR algo ou de fazer uma troca social, CONVERSAR. .

A maior DIFICULDADE das crianças com Autismo é ENTENDER esse sentido da COMUNICAÇÃO e isso é uma consequência do déficit na interação social. A comunicação só acontece quando há TROCA de INFORMAÇÕES por meio de fala ou por meio de expressões faciais, postura e gestos.

Para que a FALA FUNCIONAL aconteça, ou seja, para que a criança fale com o objetivo de conversar ou para pedir algo, são pré-requisitos o CONTATO VISUAL, a IMITAÇÃO e os COMANDOS, pois aprendemos a falar observando e imitando e, para FALAR, precisamos antes discriminar e entender o que ouvimos.

 

ENSINAR A "PESCAR"

DAR O PEIXE:
Podemos sim ENSINAR PALAVRAS para a criança, mas o ideal é fazer isso DENTRO do CONTEXTO. Caso contrário, dificilmente ela vai saber usar essas palavras para PEDIR ou CONTAR algo e não queremos uma fala sem a função comunicativa.

Para ensinar dentro do contexto, por EXEMPLO, quando você sabe que seu filho quer ÁGUA, coloque o copo em frente ao seu ROSTO e, antes de entregá-lo, faça uma pausa para que ele preste ATENÇÃO em você e nos movimentos de sua boca e FALE: “água”.

 

ENSINAR A PESCAR:
Melhor ainda se a criança tiver oportunidade de aprender NATURALMENTE DIVERSAS PALAVRAS ao longo do dia, e conseguimos isso através do treino de CONTATO VISUAL, IMITAÇÃO e COMANDOS. .

 

SEU FILHO ENTENDE O QUE VOCÊ FALA?

 

Para FALAR, precisamos antes ENTENDER o que OUVIMOS. .

E o seu filho entende o que você fala? Para tirar a dúvida, dê comandos
FORA DO USUAL.

 

Se você pede para a criança jogar algo no lixo ou apagar a luz, por exemplo, ela pode estar fazendo isso por condicionamento e não necessariamente por que entendeu.

Então dê comandos simples como: senta, levanta, bate palmas, coloca a mão no nariz, etc. Lembre sempre de se comunicar usando poucas palavras, usando a Regra do +1 => se a criança não fala, fale com ela sempre usando apenas 1 palavra. Se a criança fala usando apenas 1 palavra, fale usando 2 e assim por diante.

 

Se não fizer, dê a AJUDA necessária, sempre da menor para maior (verbal, gestual e física) e reforce imediatamente quando ele cumprir, mesmo que com ajuda total.

3º PASSO – COMPLETAR A PALAVRA (DICA VISUAL + VERBAL PARCIAL)

 

Depois que isso está bem constituído depois que a gente começou a mostrar pra criança e ensinar pra ela como chamam as coisas: a gente fala e mostra “controle” e a criança fala: “controle”, o mesmo pra cadeira, etc. Quando ela repete de forma consistente, a gente começa a dificultar um pouquinho a vida dela, pra eliminar a dependência dessa dica.

 

Até o passo dois eu tinha a dica visual e a dica verbal completa. Quando isso está bem instalado, passamos para o Passo 3, que eu continuo dando a dica visual, mas eu “como”, eu tiro um pedacinho da dica verbal. 

 

Eu digo pra ele: “Você quer esse, então como? Bo-ne-c...” pra ele completar. “1, 2, 3 e...” A gente vai tirando a dica verbal até chegar ao ponto de falar “Bo...” ou “b...” ou “...” e não falo mais nada.

 

 

4º PASSO – NOMEIA SOZINHA (SÓ DICA VISUAL / SEM DICA VERBAL)

Neste momento em que não falo mais nada, eu estou no quarto passo, que é só dar a dica visual e a criança emite o nome ou o som referente àquilo. No quarto passo perguntamos pra criança: “O que que é isso?” E a criança consegue nomear as coisas.

 

PALAVRAS NOVAS – VOLTE AO 2º e 3º PASSOS

Depois que a criança no nomeia tudo, quando for uma palavra nova, que a criança não conhece, eu volto pro 2º Passo, mostro como chama aquela coisa, volto pro 3º Passo, pra ela completar, até ela aprender consistentemente e nomear tudo que eu mostrar pra ela.

Segue abaixo link para atividade do O Que É? O Que É? (última imagem).

5º PASSO – DICAS: O QUE É? O QUE É?  FUNÇÕES e CARACTERÍSTICAS

(INÍCIO DICA TÁTIL / SEM DICA VISUAL / SEM DICA VERBAL)

 

Se a criança já nomeia tudo que eu mostro, se nomeia sozinha todas as coisas que ela já conhece, eu passo para o 5º Passo. No quinto passo eu tiro mais um pedacinho da dica.

 

Perceba que não tiramos nada radicalmente. Usamos o procedimento de “Aproximações Sucessivas”, é o inverso. Vamos tirando as dicas aos poucos pra não ter margem de erro, é tudo controlado.

 

No quinto passo a gente tira a dica visual também pode colocar dentro de uma caixa um objeto, que pode ser um animal e perguntar pra ele: “que animal é esse que você está pegando? É um animal, tem pelinhos, quatro patas, faz au-au”.

 

Estou dando as funções e as características, que são outras áreas do cérebro. Para ele emitir a resposta “cachorro”. Ou: “O que é isso? Coloca os dedinhos aqui dentro. Serve pra recortar, a gente segura na mão, corta o papel?” R: É a tesoura.

 

Depois você tira também a dica tátil, até você ir dando as funções, as características: “Como que chama aquilo que você usa pra jogar lá na quadra com seus amigos?” R. Bola. Ou você faz a brincadeira do “O Que É? O Que É?” “Qual animal que dá leite, faz muuu?”

 

E a criança precisa usar outras funções cognitivas pra emitir uma resposta verbal.

 

6º PASSO – FRASES (DICA VISUAL – VÁRIAS IMAGENS) 

 

Quando a criança já aprendeu O Que É? O Que É e já sabe as partes de dicas de função dos objetos ou de características das coisas e emitir o nome daquilo a gente passa pro sexto passo, que aí eu vou ensinar as frases pra criança.

 

Ela vai começar a juntar duas ou três palavrinhas pra se expressar. Eu apresento uma série de imagens, como: a foto de um menino, outra de um chute, e a foto de uma bola. Porque lá no quarto passo ele aprendeu a identificar e a identificar e a nomear quando eu mostro uma figura. E aqui ele vai nomear: “menino”, ”chutou”, “bola”.

 

Ou a gente associa cadeira com uma cor do lado (cinza), e a criança fala: “- Cadeira cinza” e a gente reforça repetindo: “- Cadeira cinza, muito bem! É isso aí!” A gente usa o que ele já aprendeu pra ele falar as frases.

 

7º PASSO – INFERÊNCIAS (DICA VISUAL – 1 IMAGEM)

Depois que a criança começou já a juntar as palavrinhas, identificando, a gente começa a apresentar uma figura com tudo isso reunido. Então por exemplo mostro uma figura de uma menina caída, uma bicicleta caída do lado e ela machucada, com uma carinha de dor. Para a criança dizer: “- A menina caiu da bicicleta” ela tem que ter feito esse passo anterior (6º passo). Pra ela entender que aquilo é uma carinha de dor e o acontecimento, pra fazer essa identificação, ela tem que ter feito esse passo antes.

 

Uma coisa é dependente da outra. Há uma série de profissionais (e eu já fiz isso), que  mostram uma figura e esperam que a criança já falasse e executasse o sétimo. E claro que a criança não irá responder, porque não criou essas outras milhares de outras sinapses antes, necessárias para conseguir fazer isso.

 

Para começar, você pode usar exemplos mais fáceis, como esses do IG @comunicatea_pais: 

8º PASSO – RELATOS EVENTOS PASSADOS (SEM DICAS)

 

Quando eu mostro cenas e a criança começa a realizar essas inferências, já sabe tudo que está dentro dessa figura, são mais uns meses, então a gente passa no último passo, que é o relato de eventos passados.

 

Por que se alguém pergunta o que vocês tomaram no café da manhã não vem um filminho pra você decodificar na cabeça, vem uma imagem na sua memória. Até o sétimo tínhamos uma imagem num papel, numa tela, em algum lugar, mas à partir do 8o Passo isso está dentro da cabeça, você não tem mais no material concreto. Aí se eu pergunto o ela tomou no café da manhã, a criança precisa, dentro da cabeça dela, inferir e decodificar para responder: “- Eu tome café, comi pão e bolacha”.

 

O relato de eventos passados é um comportamento social. A criança só relata um evento passado porque a gente quer saber, porque a criança já sabe, ela contar pra satisfazer o outro. Então como o prejuízo do autismo é um prejuízo social esse passo é mais difícil de todos de se instalar.

Assista o vídeo abaixo para entender melhor:

 

ATENÇÃO

Os níveis podem estar misturados. Normalmente as crianças estão em três passos ao mesmo tempo. É importante observar se a criança não “enroscou” em algum dos passos, voltar lá e deixar bem assimilado para que ela possa seguir evoluindo para os próximos.

MAIS DICAS

Para mais dicas para estimular a fala funcional, clique nos links abaixo:

OIP-1.jpg

APRENDER A FALAR

Para dicas para ensinar seu filho a vocalizar, clique no link abaixo:

OIP.jpg

CONVERSAR

Para dicas para ensinar seu filho a conversar, clique no link abaixo:

  • Facebook App Icon
  • Twitter App Icon
  • Google+ App Icon

© 2023 by Grace Homecare. Proudly created with Wix.com