PROTEÇÃO CONTRA ABUSOS

Produzimos um vídeo com as imagens abaixo, com imagens do site www.mayer-johnson.com, para facilitar a conversa e prevenir seu filho contra eventuais abusos:

Segue também cartilha o Comité Econômico e Social Europeu:

O site www.autismspeaks recomenda:

 

Reconhecendo e Prevenindo o Abuso Sexual

 

De acordo com um estudo com 55.000 crianças em Nebraska, uma criança com algum tipo de deficiência intelectual teve quatro vezes mais chances de ser abusada sexualmente do que uma criança sem deficiência (Sullivan & Knutson, 2000). Embora não existam números específicos para indivíduos com autismo, a pesquisa sugere que nossa comunidade pode ser particularmente vulnerável.

 

Com essa informação preocupante em mente, a Autism Speaks está fornecendo informações sobre abuso sexual às famílias. Abaixo você encontrará informações de especialistas sobre:

 

  • informações sobre fatores de risco

  • falando sobre sexualidade e abuso sexual

  • ferramentas para ajudar a evitar abusos, sinais a serem detectados para detectar abuso

  • passos a dar se um ente querido foi abusado

  • serviços nacionais para pedir ajuda

 

 

Novas estatísticas alarmantes

 

A National Public Radio (NPR) publicou uma série de sete histórias examinando a prevalência de assédio sexual e agressão entre pessoas com deficiências intelectuais. Pontos-chave da série NPR:

 

  • Pessoas com deficiências intelectuais são sexualmente atacadas a uma taxa sete vezes maior do que aquelas sem deficiência. Esse número vem da execução de dados da NPR pelo Departamento de Justiça a partir de dados não publicados de crimes federais.

  • Os dados da NPR mostram que eles são mais propensos a serem atacados por alguém que eles conhecem e durante as horas do dia.

  • Os predadores visam pessoas com deficiências intelectuais porque sabem que são facilmente manipuláveis ​​e terão dificuldade em testemunhar mais tarde. Esses crimes não são reconhecidos, não são processados ​​e impunes. E o abusador está livre para abusar novamente.

  • A polícia e os procuradores são muitas vezes relutantes em aceitar estes casos porque são difíceis de ganhar no tribunal.

 

Revise a série NPR aqui.

 

 

Como falar sobre sexualidade

 

Embora isso possa ser um assunto difícil, as famílias são encorajadas a abordar os perigos do abuso sexual de maneira que seja confortável para eles. Estar ciente e educar a si mesmo e seus entes queridos ajudará a manter todos seguros.

 

Os pais podem sentir-se ansiosos ensinando seus filhos sobre sexualidade, especialmente crianças com autismo. Alguns pais acham que é menos importante ensinar adultos jovens com autismo sobre sexualidade com a suposição de que é improvável que se tornem parte de suas vidas. Este não é o caso.

 

A educação em sexualidade dos pais é muito importante para as pessoas com autismo porque é menos provável que elas aprendam sobre isso com seus pares, filmes ou outras fontes semelhantes. As pessoas com autismo devem saber a diferença entre o comportamento apropriado e inadequado e distinguir entre os vários tipos de relacionamentos saudáveis.

 

Embora a tarefa possa parecer avassaladora, começar o mais cedo possível e ser DIRETO quanto possível é o melhor.

 

“A instrução de sexualidade enfoca, antes de tudo, a segurança pessoal e o autoconhecimento. Assim, embora a educação em sexualidade possa ser assustadora e complexa, ela deve ser considerada um elemento-chave de um plano abrangente de transição, quando o objetivo é ser um adulto seguro, competente e confiante.

Peter F. Gerhardt, EdD, especialista em pesquisa aplicada durante toda a vida.

 

Educação abrangente em sexualidade consiste em instrução em três áreas de conteúdo distintas:

 

  1. Fatos básicos e segurança pessoal

  2. Valores individuais

  3. Competência social

 

Concentrar-se em habilidades básicas de segurança deve ser considerado necessário e apropriado para pessoas no espectro do autismo. Essas habilidades incluem:

 

  • fechando e travando as portas do banheiro ou da tenda

  • Entendendo a privacidade pessoal e quem pode e quem não pode ajudá-lo no banheiro ou com habilidades de cuidados pessoais

  • identificação da parte do corpo usando terminologia adulta (por exemplo, pênis em vez de peepee)

  • usando banheiros públicos independentemente

  • a restrição da nudez ao banheiro ou quarto pessoal

  • a questão do espaço pessoal para si e para os outros

 

A educação em sexualidade para pessoas com autismo é frequentemente considerada como um “problema porque não é um problema, ou é um problema porque é visto como um problema” (Koller, 2000, p. 126).

 

Isso significa que a sexualidade para pessoas com autismo é susceptível de ser ignorada até se tornar um problema. Uma abordagem melhor é abordar a sexualidade como ensinando a pessoa a ser mais segura, independente e integrada em suas próprias comunidades. Isso pode resultar em uma qualidade de vida mais positiva.

 

 

Como prevenir o abuso sexual

 

A Rede Nacional para o Stress Traumático Infantil fornece algumas dicas úteis sobre como proteger as crianças contra o abuso sexual:

 

  • Ensine às crianças nomes precisos de partes do corpo privadas.

  • Evite focar exclusivamente em “perigo estranho”. Tenha em mente que a maioria das crianças é abusada por alguém que conhece e confia.

  • Ensine as crianças sobre a segurança do corpo e a diferença entre os toques “ok” e “não ok”.

  • Deixe as crianças saberem que elas têm o direito de tomar decisões sobre seus corpos. Capacite-os a dizer “não” quando não quiserem ser tocados, mesmo de formas não sexuais (por exemplo, recusando educadamente abraços) e dizendo “não” para tocar os outros.

  • Certifique-se de que as crianças saibam que adultos e crianças mais velhas nunca precisam de ajuda com suas partes privadas do corpo (por exemplo, tomar banho ou ir ao banheiro).

  • Ensine as crianças a cuidarem de suas próprias partes íntimas (ou seja, tomar banho, limpar o uso do banheiro) para que não precisem depender de adultos ou crianças mais velhas para obter ajuda.

  • Educar as crianças sobre a diferença entre bons segredos (como festas surpresa - que são boas porque não são mantidas em segredo por muito tempo) e segredos ruins (aquelas que a criança deve manter em segredo para sempre, que não estão bem).

  • Confie nos seus instintos! Se você se sentir desconfortável em deixar uma criança com alguém, não faça isso. Se você estiver preocupado com possíveis abusos sexuais, faça perguntas.

 

O melhor momento para conversar com seu filho sobre abuso sexual é AGORA.

 

Sinais de alerta de abuso sexual

 

Pais, cuidadores e amigos podem proteger seus entes queridos aprendendo certos sinais que podem indicar vitimização. É importante lembrar que cada pessoa é diferente e pode mostrar sinais diferentes. Reconhecer possíveis sinais de abuso pode ajudá-lo a ajudar a vítima a obter ajuda e parar o abuso o mais rápido possível.

 

A American Psychological Association descreve comportamentos comuns em crianças que foram abusadas:

 

  • Um aumento nos pesadelos e / ou outras dificuldades para dormir

  • Explosões de raiva

  • Ansiedade

  • Depressão

  • Dificuldade para caminhar ou sentar

  • Comportamento retirado

  • Gravidez ou contração de uma doença venérea, especialmente se menor de 14 anos

  • Propensão a fugir

  • Recusa de mudar para academia ou para participar de atividades físicas

  • Comportamentos regressivos dependendo de sua idade (por exemplo, voltar a chupar o dedo ou molhar a cama)

  • Relutância em ficar sozinho com uma pessoa ou pessoas em particular

  • Conhecimento, linguagem e / ou comportamentos sexuais incomuns e inadequados para a idade

 

Leve isso muito a sério quando uma criança relatar abuso sexual por parte de um dos pais ou de outro cuidador adulto.

 

Para crianças com autismo, os sinais podem se manifestar de maneira diferente. Em seu artigo Abuso Sexual de Crianças com Autismo: Fatores que Aumentam o Risco e Interferem com o Reconhecimento do Abuso, Dr. Meredyth Goldberg Edelson, da Willamette University, observa:

 

Se uma criança com autismo for abusada sexualmente, as tentativas da criança de lidar com esse abuso ou levá-lo a um sentido podem levar a um aumento na intensidade e frequência de comportamentos de emaciação, comportamentos autolesivos e comportamentos repetitivos ou ao desenvolvimento de novos comportamentos que não estavam presentes anteriormente.

 

Para crianças com autismo que desejam revelar seu abuso, podem ocorrer reações comportamentais ao abuso sexual. Infelizmente, esses comportamentos podem ser mal interpretados pelos outros como apenas um sintoma de seu autismo. Portanto, o fato de que a criança foi ou continua sendo abusada sexualmente pode ser desperdiçada.

 

Conseguindo ajuda

Descobrir que alguém próximo a você é uma vítima de abuso sexual é devastador. Depois de saber, o primeiro passo é denunciar o abuso.

 

Se uma criança divulgar abuso, é fundamental manter a calma, ouvir atentamente e NUNCA culpar a criança.

Agradeça à criança por lhe dizer e assegure-lhe seu apoio.

Peça ajuda imediatamente.

 

Existem vários tratamentos para crianças que foram abusadas sexualmente, incluindo:

 

  • Terapia individual

  • Terapia familiar

  • Terapia de Grupo

  • Terapia cognitivo-comportamental focada no trauma

  • Terapia centrada na criança

 

Da Associação Psicológica Americana

 

Não há tratamento “tamanho único” para abuso sexual. Para a comunidade do autismo, pode ser necessário considerar a comunicação preferencial e os suportes comportamentais. Tente trabalhar com profissionais que tenham experiência com autismo ou incorporem terapeutas que tenham trabalhado com a pessoa com autismo antes. A recuperação é possível - as crianças podem ser muito resilientes e com uma combinação de tratamento eficaz e apoio dos pais / cuidadores, elas se recuperam do abuso.

Uma forma lúdica de abordar esse assunto tão importante, na interpretação adorável de @fafaconta do canal do YouTube Fafá Conta Histórias, que acrescenta ainda algumas informações importantes, conforme link abaixo:

  • Facebook App Icon
  • Twitter App Icon
  • Google+ App Icon

© 2023 by Grace Homecare. Proudly created with Wix.com