MUSICOTERAPIA

Como ensina Dr. Paulo Liberalesso no IG @tea.cerena:

A música pode ser utilizada com fins educacionais e terapêuticos.
Mesmo antes de serem evidenciadas elas já tinham impacto sobre várias estruturas cerebrais.
Hoje já temos evidências técnico científicas sobre música e a neurociência. 

MÚSICA NO CÉREBRO

Assista o vídeo clicando no link abaixo e veja a reação do cérebro à música, como divulgou o IG @anitabritaoficial:

"Aqui está um olhar surpreendente sobre o que a música faz com o seu cérebro.

Utilizando imagem por ressonância magnética funcional (fMRI, do inglês "Functional Magnetic Ressonance Imaging"), um estudo de 2008 concentrou-se em observar as respostas cerebrais dos músicos enquanto eles tocavam música, enquanto um estudo de 2013 analisou a atividade cerebral dos ouvintes gravada pela fMRI enquanto a música era tocada. Colocadas juntas, elas pintam um retrato poderoso do porquê exatamente a música nos influencia do jeito que faz. Tudo se resume a uma verdade simples: a música é realmente um tipo especial de linguagem, que trabalha mais com as emoções do que com a razão.

O cérebro humano reage de maneira diferente a diferentes tipos de música, provocando respostas emocionais, físicas e comportamentais, quase como se a música fosse um mapa, comunicando emoções ao cérebro até melhor que as palavras. Como em uma conversa, diferentes sinais estimulam quase todo o cérebro.

Todo gênero e toda música são seu próprio mapa para uma combinação única de sentimentos e pensamentos. Como mostra esta gravação de uma fMRI de um cérebro que responde à música de tango, nossas reações à música podem ser profundas.

Mas não importa o tipo, música e comunicação são coisas que a maioria de nós precisa. Um estudo diferente do Instituto Neurológico de Montreal da Universidade McGill sugere que ouvir música "pode ​​despertar sentimentos de euforia e desejo", estimulando até a liberação de dopamina no cérebro - uma substância química fortemente associada ao prazer, recompensa e até vício.

Como falar com um amigo querido ou ouvir algo doce de alguém que você ama, a música é uma conversa, que os cérebros de ouvintes e tocadores precisam continuar tendo".

MÚSICA

Como relata a Revista Crescer, estudo demonstra que a música melhora a comunicação em crianças com Autismo: 

"Muitos são os benefícios comprovados da música para as crianças e isso não exclui aquelas que se enquadram no transtorno do espectro autista (TEA). Um estudo canadense mostrou que atividades musicais, como cantar e tocar instrumentos, podem melhorar as habilidades de comunicação social dessas crianças, bem como a qualidade de vida da família.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores da Universidade de Montreal e da Escola de Ciências da Comunicação e Distúrbios da Universidade McGill (Canadá) recrutaram 51 crianças com TEA, com idades entre 6 e 12 anos, que foram designadas a dois grupos de terapia: um envolvendo música e outro não. Após três meses de sessões semanais, os pais das crianças do grupo de música relataram melhorias significativas nas habilidades de comunicação e na qualidade de vida das crianças, não observadas no grupo controle.

Os exames de ressonância magnética, aos quais as crianças foram submetidas antes e depois das sessões, sugerem que a melhora na comunicação se deu por uma maior conectividade entre as regiões auditivas e motoras do cérebro – estimulada pela música –, e uma diminuição entre as regiões auditivas e visuais, comumente observadas no espectro autista.

Megha Sharda, autora principal do estudo, explica que essa conectividade entre o auditivo e o motor é crucial para a interação social. “Quando estamos nos comunicando com outra pessoa, precisamos prestar atenção ao que ela está dizendo, planejar com antecedência para saber quando é a nossa vez de falar e ignorar o ruído irrelevante. Para pessoas com autismo, isso pode ser um desafio”, afirma.

Abram Topczewski, neuropediatra do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e autor do livro Transtorno do Espectro Autista: como lidar, observa que a atividade musical também se mostra prazerosa para essas crianças. “Notamos que elas gostam muito, tanto que vários músicos famosos estavam dentro do espectro. Há uma certa predileção pela música e muitas têm até facilidade para tocar instrumentos. Não à toa, recomendamos aulas de música como parte do tratamento”, conta. “A música é, por si só, uma forma de comunicação e ajuda muito no desenvolvimento”, completa.

Outras atividades indicadas para crianças com o transtorno são a equoterapia e esportes, como a natação. “Essas crianças se relacionam muito bem com animais e acabam criando algo único com os cavalos. No caso da natação, a relação centralizada no adulto, o professor, acaba servindo de ponte para que comece a se relacionar com outras crianças na aula, favorecendo a comunicação”, afirma o especialista".

PLAYLIST SPOTIFY

Segue no link abaixo uma playlist com músicas que estimulam a linguagem que preparamos para vocês.

Please reload

MÚSICAS

 

A música é uma ferramenta incrível para estimular a linguagem. No início da verbalização, quanto menos complexa a letra das músicas, melhor! É importante cantar junto para estimula-los a cantar também! Deixe músicas infantis tocando o dia inteiro, no caminho para a escola, durante as brincadeiras, etc. 

VÍDEOS 

Para ampliar o vocabulário, apresente estes vídeos várias vezes, lendo e cantando junto. Pessoas com autismo normalmente são muito visuais, como afirma Temple Grandin no livro Thinking in Pictures (Pensando por Imagens). Por esta razão costumam prestar mais atenção em vídeos e ilustrações. Depois vá mostrando também os respectivos objetos na rotina, nomeando-os um a um de forma pausada e clara, fazendo com que a criança observe os movimentos de sua boca, até que inclua em seu repertório. 

ALFABETO

Uma dica é comprar em livrarias letrinhas e números em EVA ou jogos, livros e brinquedos desse gênero para brincar e ensinar.

Vídeos: "Cantando o ABC" da Galinha Pintadinha, "A Música do Alfabeto"  Gugudada.

Aplicativos: Macaco das Letras da Fisher-Price, Abc do Bita.

MÚSICA E NEUROCIÊNCIA

Dr. Paulo Liberalesso

TERAPIAS BASEADAS EM MÚSICA

Dr. Paulo Liberalesso

A MÚSICA DO ALFABETO 2

GUGU DADA

ABC

GALINHA PINTADINHA

ALFABETO

AUTISTOLOGOS

ALFABETO DO MATHEUS

AUTISTOLOGOS

Please reload

OS NÚMEROS

Para estimular a LINGUAGEM, os NÚMEROS também são ótimos aliados.

Existem vários VÍDEOS, JOGOS e BRINCADEIRAS com números. 

A MÚSICA DOS NÚMEROS

GUGU DADA

DOKI CONTANDO ATÉ DEZ

DISCOVERY KIDS

APRENDER A CONTAR

BRINK E APRENDA

Trabalhando Números, Coordenação e Pareamento

@autismogemelar

Please reload

APLICATIVO APRENDER A CONTAR

Adicione informações sobre este item

Este aplicativo tem versão em português e ajuda a ensinar a contar de forma divertida, estimulando também a coordenação motora fina, já que é necessário contar clicando com o dedo indicador em cada item.

Please reload

HIPERLEXIA

Um dos mais fascinantes fenômenos cognitivos de algumas pessoas com autismo é a presença das denominadas “ilhas de habilidades especiais”, tornando-os PRODIGIOSOS em uma habilidade específica, quando isto ocorre com letras e números precocemente, denomina-se HIPERLEXIA. Foi o que aconteceu com o Matheus!

Claro que não se deve estimular o interesse restrito sem função, mas, como fiz no caso do Matheus, aproveitei este INTERESSE para DESENVOLVER outras HABILIDADES, em especial suas maiores DIFICULDADES - a LINGUAGEM e a INTERAÇÃO. 

PARTES DO CORPO

AS PARTES DO CORPO - GUGU DADA

Exemplos de algumas partes do corpo: Pé, mão, braço, perna, barriga, cabeça, cabelo, olho, nariz, boca, bochecha, testa, pescoço, orelha, bumbum, joelho.

PARTES DO CORPO

@autismogemelar

Brincadeira trabalhando as partes do corpo.

Please reload

PARTES DO CORPO

Amplie o VOCABULÁRIO e estimule a CONSCIÊNCIA CORPORAL explorando as PARTES do CORPO.

Algumas maneiras de ensinar as partes do corpo são:

* na hora do BANHO,

* com um BONECO (como Cabeça de Batata),

* colando um ADESIVO.

Após bem assimiladas, faça brincadeiras, por exemplo, a CAIXA MÁGICA, escondendo uma parte do corpo (pode ser um desenho) e perguntar - "O que está aqui?", dando as dicas verbais. No caso da boca, por exemplo, dar a dica: "serve pra beijar..." Dê a AJUDA necessária, apontando para a parte do nosso corpo e até falando a primeira letra: "b...") e vá diminuindo a ajuda assim que perceber saiba a resposta. 

Depois que adivinhar, peça para a criança MOSTRAR onde fica em seu próprio corpo e também dê a ajuda necessária.

EXEMPLOS de DICAS verbais: *Boca - para beijar, para comer, para sorrir, para falar, abre e fecha.

*Nariz - para respirar, cheirar.

*Olhos - para olhar, abre e fecha.

*Braços e mãos - para dar tchau, jogar beijo, abraçar, para contar quantos tem.

*Pé - para andar, para botar o sapato, para pular.

Please reload

FRUTAS

O TREM DAS FRUTAS - GUGU DADA

Inicialmente basta saber as mais comuns, como laranja, limão, maçã, abacaxi, banana, morango. Mostre as frutas na sua mão, procure em livros ou internet.

AS CORES

A MÚSICA DAS CORES - GUGU DADA

Exemplos: Amarelo, azul, verde, branco, preto, rosa, laranja, vermelho. 

Aplicativo: Music Color Lite - Babies & Toddler

Vídeo Youtube: "A Música das Cores", Gugudada. 

AS CORES

SIMBORA

OS ANIMAIS

O TREM DOS ANIMAIS - GUGU DADA

Exemplos: Gato, cachorro, passarinho, cavalo, porquinho, ovelha, grilo, vaca, pinguim.

Após, ensinar o som de cada animal. 

OS ANIMAIS

O SOM DOS ANIMAIS - GUGU DADA

MEIOS DE TRANSPORTE

MEIOS DE TRANSPORTE - DISCOVERY KIDS

Alguns exemplos: Carro, bicicleta, avião, trem, helicóptero, moto, caminhão, trator, ambulância, caminhão de bombeiro, carro da polícia.

Mostre através de brinquedos, livros, vídeos ou passeando pela cidade.

FENÔMENOS DA NATUREZA

FENÔMENOS DA NATUREZA - AUTISTOLOGOS

Exemplos: Nuvem, chuva, sol, lua, arco-íris, noite, dia, frio, quente, neve, neblina.

ROUPAS

AS ROUPAS - AUTISTOLOGOS

Exemplos: Calça, camiseta, bermuda, saia, cueca, calcinha, sunga, biquíni, tênis, sapato, chinelo, meia, chapéu, óculos, etc. 

Ilustrações by Vovó Marize

NOSSA CASA

ALFABETO CASA - AUTISTOLOGOS

Exemplos: Casa, garfo, prato, colher, garfo, faca, quarto, cama, berço, porta, janela, fogão, geladeira, varal, máquina de lavar e de secar, ar condicionado, mesa, cadeira, chuveiro, banheira, patente, torneira, computador, TV, banheiro, microondas, gaveta, escada, liquidificador, etc.

PALAVRAS DA CASA

IMAGENS EDITORA LIBRIS

Porta, telhado, janela... 

OS VERBOS E AÇÕES

Como é difícil mostrar em figuras a realização de ações, é importante demonstra-las, conforme vídeo que serve como exemplo.https://www.youtube.com/watch?v=Q4PYLO45SoM

EXPRESSÕES FACIAIS

A  possibilidade de expressar emoções pela face é um elemento fundamental para o estabelecimento da reciprocidade entre as pessoas. Se você sorrir para uma pessoa, é bem provável que receba um sorriso de volta! As expressões faciais são, portanto, uma importante forma de comunicação e interação social. 

 

No entanto, pessoas com autismo geralmente não possuem habilidade de expressar-se ou entender as expressões alheias, o que interfere diretamente nos relacionamentos sociais. Por esta razão, é importante estimular o reconhecimento das expressões faciais, através de vídeos, brincadeiras, historinhas, etc. 

Crédito ilustrações de cabeça de abóbora pela mega pop Contemporary Artist - Vovó Marize Koerich @artbymakinsta  @marize_koerich 

FAMÍLIA DOS DEDOS

Os A

FAMÍLIA DOS DEDOS

@autismogemelar

Please reload

De acordo o site www.terapiaaba.com.br, são 5 os requisitos para a fala, cujo teor transcrevemos a seguir:

 

 

"A Terapia ABA utiliza os pressupostos da análise do comportamento para o ensino de diversos repertórios. Um desses repertórios envolve o treino dos pré-requisitos da fala.  É muito comum como uma das principais queixas dos pais a falta ou o atraso da fala de seus filhos. Assim, existe a cobrança para que a criança fale logo, durante a intervenção ou a partir dela.

 

O que os pais não entendem, e por isso sempre começo explicando é que a criança só vai falar (salvo exceções), se e somente se ela tiver como repertório os pré-requisitos da fala. Imagino que devem estar se perguntando quais seriam esses pré-requisitos. Abaixo listo 5 desses pré-requisitos.

 

Vamos começar falando do primeiro requisito: (1) olhar no olho. A criança que não olha no olho, não faz uso da primeira troca na comunicação. Eu te olho e você me dar atenção, comida, brinquedo, colo, etc.. Se você observar um bebê, antes mesmo dele completar um ano, ele já faz esses “pedidos” através do olhar. Além disso, olhar no olho ajuda a criança a observar a pronuncia, expressão, sonorização do adulto observado, o que ajuda na produção da sua própria fala.

 

O segundo pré-requisito é (2) responder de forma consistente a demanda. O que seria isso? Seria você pedir algo para criança e ela fazer. Por exemplo, você pede para o seu filho dar tchau para a avó e ele faz o movimento do tchau. Nesse sentido entramos em mais dois pré-requisitos da fala: (3) “seguir instrução” (4) compreender o que é falado.

 

Nem sempre responder a demanda será o mesmo que “seguir uma instrução”, por isso prefiro dividir esses pré-requisitos como diferentes. Por exemplo, quando você chama seu filho pelo nome e ele não olha, ele não respondeu a sua demanda e você não deu uma instrução formal a ele. Quando você fala oi e ele não responde, você deu uma demanda que também não foi correspondida e não se trata de uma instrução formal.

 

Antes da criança falar, ela também precisa compreender o que é dito. Muitos programas dentro do ensino em ABA focam nesse pré-requisito. Mesmo quando a criança começa a falar, ela possui compreensão auditiva limitada e trabalhamos no sentido de ampliar esse repertório com adjetivos, verbos, etc.

 

O último pré-requisito da fala é a (5) imitação. Sem ela é praticamente impossível que a criança vocalize palavras. Se ela não imita respostas motoras, muito provavelmente ela não imitará respostas vocais. Trabalhar a imitação não só auxilia na vocalização dessas crianças, mas também na aprendizagem de um repertório infinito que pode ser ensinado através do modelo.

 

Todos esses repertórios são fundamentais não só para aprendizagem da fala, mas também para o desenvolvimento da socialização e autonomia de crianças com atraso de desenvolvimento".

 

A forma de como estimular todos estes requisitos encontramos em nosso site: 

OLHAR NO OLHO

Adicione mais informações

Com ajuda (diminuindo o campo visual ou colocando sua mão em nosso rosto), como orientamos no item indicado, a criança passa a melhorar seu olhar, atender aos chamados e, consequentemente, está pronta para prestar atenção aos que estamos falando e também para interagir.

RESPONDER DE FORMA CONSISTENTE AS DEMANDAS

Adicione mais informações

Quando damos um comando à criança (por exemplo: - mande um beijo para a titia), devemos fazê-lo cumprir, pegando em sua mão e fazendo o gesto de que está mandando o beijo. Desta forma, entenderá que este ato corresponde ao que você está falando. Por isso é tão importante seguir o lema: Ordem dada, ordem cumprida!

SEGUIR INSTRUCAO

Adicione mais informações

Idem

COMPREENDER O QUE É FALADO

Adicione mais informações

Idem

IMITACAO

Adicione mais informações

Grande parte do que aprendemos, o fazemos por imitar nossos pais, irmãos, etc. Repetimos suas palavras, seus gestos, sua forma de agir em cada situação. Por isso é tão importante estimular que a criança para que aprenda a imitar. No início, com ajuda de alguém que pode ficar atrás da criança, pedimos para repetir nossos gestos (ex. bater palmas, etc.). Veja os vídeos no item indicado para entender melhor!

AMPLIANDO O VOCABULÁRIO

Adicione mais informações

Os jogos de encaixe são muito importantes para esse estímulo, pois atuam na área cerebral da linguagem (de preferência com sons para começar). É o primeiro passo para estímulo da liguagem, conforme já citado no tópico de Coordenação Motora.

PRIMEIRAS PALAVRAS

 

Para ajudá-lo a inserir palavras em seu vocabulário, segue a Playlist completa de vídeos está em nosso canal do Youtube no link abaixo:

Please reload

Músicas

MUSICALIZAÇÃO

A criança com Autismo normalmente tem sensibilidade auditiva, não reagindo bem a lugares barulhentos, por exemplo.

Para diminuir essa sensibilidade, é importante ter contato rotineiro com instrumentos musicais e músicas.

Para estimular também o vocabulário, é importante cantarmos junto para que entenda as palavras da música e estimular que a criança passe a cantar junto também. 

 

a) Exemplos de vídeos - (veja no Youtube: Autistólogos Autismo => Playlists).

Galinha Pintadinha

Bob Zoom

Gugudada

Bita e os Animais

Balão Azul

Palavra Cantada

Importante ressaltar que vídeos, tv e jogos sejam limitados a, no máximo, 1hora por dia.

MÚSICA - CANTAR JUNTO

Bita e os Animais

Galinha Pintadinha

Palavra Cantada

Xuxa Só para Baixinhos

Eliana - Os Dedinhos, A Dona Aranha, Ai Meu Nariz.

Bob Zoom

Aquarela - Toquinho

Patati Patatá

O Pato - Chico e Vinícius

A Casa - Vinícius

Pato Fu - Música de Brinquedo

Adriana Partimpin

É possível fazer um playlist no Spotify, por exemplo, com músicas de preferência da criança.

MÚSICA CLÁSSICA

A Música Clássica também traz uma série de benefícios, aí vai uma relação:

Mozart for Bedtime - Wolfgang Amadeus Mozart

Serenade in G Major - Wolfgang Amadeus Mozart

Für Elise - Bethoven

Please reload